“Alinhavando Desperdícios” no Extremo Fashion 2016

ExtremoFashion

A 4ª edição do Extremo Fashion acontece, neste ano, acoplada à Expotec, no Centro de Convenções de João Pessoa (PB),  no dia 27 de Agosto e vai levar ao público o que há de inovação no universo da moda. Como principais destaques do evento, acontecerão desfiles das coleções de grandes nomes da moda autoral, como os designers Romero Sousa e Leo Mendonça. Também já estão confirmadas e participam desta edição o fotógrafo Danniel Victor e o cerimonialista Fillip Miranda, bem como a Lug Serigrafia e o designer gráfico Tibério Palmeira.
Os estilistas levarão à passarela do Extremo Fashion na Expotec 2016 coleções autorais, valorizando as riquezas paraibanas. E a Furtacor também vai estar presente! A nossa designer e estilista Rita Braga irá apresentar uma coleção baseada em um poema do Manuel Barros: “O apanhador de desperdícios”. A talentosa também firmou parceria com o João Faissal e o Eudes Ciriano, responsáveis pelas imagens e trilha sonora.

alinhavando“Alinhavando Desperdícios” é o título da coleção… Numa referência a Manoel de Barros, que usava as palavras para compor seus silêncios, e era, por elas, iluminado, essa coleção alinhava desperdícios, metamorfoseia coisas, alquimiza um tanto… (Porque os alquimistas estão chegando, não para transformar metais, mas para transmutar conceitos e mentes, renovar o homem usando borboletas…). Lança mão da invencionática. Não tem regras, nem pudores, nem limites… Mas coração e asas! Respeita as coisas desimportantes, saboreia quintais maiores que o mundo, e está aparelhada para amar passarinhos… Às vezes poética, às vezes estranheza. É assim essa coleção! Em tempos sombrios, pinceladas de cores, surpresas, invencionices… E o avesso vira direito, e vice versa, e o que era defeito é um efeito. Passado é presente, futuro é presente. O tempo se relativiza aqui. “E nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”, como dizia outro alquimista, o Lavoisier.

Dá só uma espiada em algumas peças que vão compor esse desfile no Extremo Fashion:

Ad5Ad1e2Ad3e4

Depósito/ Café Furtacor

cafe-3_110592447_10202083711155069_1443502363_ncafe-2_1É um Depósito de móveis, objetos de arte, artesanato, decoração… É também um charmoso e aconchegante Café,  um local bonito, descolado e despojado. Um ponto de encontro, onde se reúnem pessoas alto astral, artistas, gente bacana de todas as idades e lugares. Gente que está passando por aqui, viajantes de várias partes do mundo, gente que mora nos arredores… O lugar é também cosmopolita, lá se encontra peças garimpadas pelo mundo afora e um cardápio com referências da cozinha asiática ao tempero da casa de vó. É com muita liberdade, e muitas pitadas de inspiração flower power que os proprietários, andarilhos, Ramon e Rita, pincelam seus empreendimentos, sem deixar de lado sua filosofia de vida e suas raízes transgressoras. Portanto, muitas “viagens” malucas ainda vão rolar nesse Depósito/Café Furtacor. Se quiser dar uma conferida… Fica no coração de Manaíra, na Av. Guarabira, 823,  tel 30212164.

Delírios e Outras Flores…

Ficou pronto nosso Catalendário Furtacor! Delírios e outras flores…  Os envolvidos nessa viagem foram, João Faissal, Cris Calaço, Wênio Pinheiro, Ramon Japiassu, Rita Braga, Carina Rabay, Maria Sabina, sapos, borboletas, duendes e gnomos do Quintal do Castelo… E afins! Psicodelize! Delicie!1521212_407096232726785_674773439_n562000_407096236060118_376990887_n

Frida Kahlo Forever

Não vou falar muitas coisas de Frida, nem da sua vida conturbada, nem da sua partida prematura… As imagens falam por si só! Frida é pura energia, cores, vibração! Frida é intensa, profunda, visceral, lúdica, sofrida, partida, dolorida, só e única! Alguns trechos, por ela mesma:

”Algum tempo atrás, talvez uns dias, eu era uma moça caminhando por um mundo de cores, com formas claras e tangíveis. Tudo era misterioso e havia algo oculto; adivinhar-lhe a natureza era um jogo para mim. Se você soubesse como é terrível obter o conhecimento de repente – como um relâmpago iluminado a Terra! Agora, vivo num planeta dolorido, transparente como gelo. É como se houvesse aprendido tudo de uma vez, numa questão de segundos. Minhas amigas e colegas tornaram-se mulheres lentamente. Eu envelheci em instantes e agora tudo está embotado e plano. Sei que não há nada escondido; se houvesse, eu veria.”

”Origem das duas Fridas. Recordação. Devia ter 6 anos quando vivi intensamente a amizade imaginária com uma menina de minha idade. (…) Não me lembro de sua imagem, nem de sua cor. Porém sei que era alegre e ria muito. Sem sons. Era ágil e dançava como se não tivesse nenhum peso. Eu a seguia em todos os seus movimentos e contava para ela, enquanto ela dançava, meus problemas secretos. Quais? Não me lembro. Porém ela sabia, por minha voz, de todas as minhas coisas…”

Amuralhar o próprio sofrimento é arriscar que ele te devore desde o interior.

Pés, para que te quero, se tenho asas para voar?

frida_kahlo_by_natmir-d5u4j2z

Untitled-120131101_183057fridak2fridags frida3

53DD18258

 

 

Caveiras Açucaradas de Oaxaca

Faz parte da cultura Mexicana festejar os seus mortos desde o dia 29 de outubro até o dia 02 de novembro. Com festa, alegria e especialmente com as caveiras feitas de açúcar, juntamente com outros enfeites coloridos que são colocados em belos altares, e assim os entes queridos que já partiram dessa para uma melhor são lembrados e cultuados com muito afeto e alegria. assim é “El dia de los muertos!”, no México, principalmente no Estado de Oaxaca.

Muitas famílias mantém o costume secular da fabricação de caveiras de açúcar, que são confeccionadas manualmente e usadas nos altares super coloridos espalhados pelas ruas, praças e residências das cidades Mexicanas. Uma beleza de se ver!caveira7caveira6caveira5caveira1 - Cópiacaveira4caveira3 - Cópiacaveira2 - Cópia

Os Turbantes

O turbante, originalmente, consiste numa tira de tecido que pode medir até 45 metros, enrolados sobre a cabeça. É usado comumente na Índia, Bangladesh, norte e leste da África, Afeganistão, Paquistão, Oriente Médio, sul da Ásia, parte da Jamaica e Bahia. A origem do turbante é desconhecida mas sabe-se que vem de longas e longas datas. As inúmeras formas de amarra-lo é uma espécie de linguagem popular, podendo designar a condição social, ou a tribo a qual a pessoa pertence, e até mesmo o seu estado de espírito naquele momento. Há uma espécie de turbante chamado Ojá que é usado  pelas religiões Africanas, afro Americanas e Afro Brasileiras. Os turbantes tem formas, cores, texturas e estampas diversas. Ele foi incorporado na moda ocidental e largamente usado nos anos 30 até os anos 70. Voltando com toda força, agora! Sob novas óticas, novas leituras e também em sua forma mais genuína e original. Que venham os turbantes!